domingo, 22 de outubro de 2017

A Medida




Imagem relacionada



É de veludo a minha pele
a brotar as palavras
que me cabem e
livremente tocam os significados
irreverentes do meu olhar.

O meu livro
sem páginas
cria asas
no meu pensamento,
sobrevoando
no reconhecimento
a medida
da luz.




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexandrina karadjova.



                     

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

O Silêncio...


                            


                                                O silêncio:

                                                A jornada da minha alma

                                                onde as palavras se calam.

                                                O emudecer dos meus sussurros;

                                                a quietude de mim

                                                a transcorrer no silenciar

                                                o mundo,

                                                percorrendo o deserto

                                                da minha solidão permanente.


                                                A música do tempo,

                                                da esfera de dentro.

                                                A navalha que corta

                                                as palavras ao meio...


                                                A viagem da volta,

                                                a ausência dos que ficaram,

                                                o mergulho no esquecimento

                                                do passado inatingível

                                                dançando na linha do presente

                                                Impermanente!



                               Suzete Brainer ( Direitos autorais registrados)

                               Imagem: Google.

                               (Poema Reeditado).

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Que Tal A Gentileza?









       Soletrar o verbo

            vagarosamente,


    deixar permanecer nos teus olhos


       o significado do encontro.


       O mundo está congestionado


           pelo o ruido,


      pela frenética comunicação


          do barulho.


     Há o grito agredindo


     a sensibilidade do sentir


     a  voz melodia,


             no tom bossa-nova...



     Quero o silêncio


     ampliando o som do coração.


    Quero sentir


    o abraço das mãos


    no simples caminhar,


   conectado à infinitude do pôr-do-sol


   desconstruindo a densa realidade. 



   Viver a leveza


   dos movimentos a um toque,


   o encontro do olhar sem esperas,


   a escuta com alma,


   e a paciência de saber ser paciente 


   num mundo com pressa


                                compressão


                                explosão


   ainda assim,


   resta a suavidade


  de uma nova resposta:


                               a Gentileza.... 


(Poema reeditado) 


Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)


Imagem: Do Google.








              Caros amigos (as),

          Ainda continuo sem disponibilidade de tempo para
          o voo da partilha, aqui, e no espaço de vocês.
          Assim que puder, visitarei os espaços de vocês.
          Muita saudade deste ato da gentileza da partilha!
          Grata pelas presenças aqui!!
             
          Beijo e Abraço de Paz! 

          Suzete Brainer.                    

              

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Aviso Urgente!




            Meus caros amigos(as) e seguidores, venho informar sobre um perfil falso
            que foi feito no Google+ com o uso do meu nome, este perfil tem o nome
            Suzete Maria Brainer e sem foto e eu acabei de denunciar ao Google+ sobre
            este crime de uso do meu nome. Não consigo entender o que faz alguém 
            cometer um "crime" de usar o nome de outra pessoa, com o propósito para
            quê? Eita mundo insano!... Reafirmo que o meu perfil no Google+  é somente
            Suzete Brainer com foto e do mesmo jeito do meu perfil do meu blog. Somente
            tenho este blog de poesia e não faço parte de redes sociais como FB e etc. Para
            que todos saibam e não confundam o perfil verdadeiro com este perfil falso.
            Estou aguardar a resposta da denúncia que eu fiz sobre este crime. Tentei deixar 
            uma mensagem neste perfil falso, mas não consegui registrar.
            Agradeço a compreensão de todos!
            Uma breve pausa aqui no meu blog, quando retornar,
            visitarei os espaços de vocês
            para o voo da partilha que eu tanto aprecio!...
            
            Beijo e Abraço de Paz!
            Suzete Brainer.



terça-feira, 26 de setembro de 2017

Primavera




Ela percebia que nos seus olhos corriam todo o mistério da simples entrega. Os gestos estavam ali, no passeio do sorriso, em passaporte da vida...

A simplicidade sempre revela o essencial da genuína partilha. As complicações são entulhos de alma aprisionada no corpo, que carrega o peso das frustrações.


Seguir o fluxo do sentir em cada pétala do jardim... A primavera chega com a leveza das cores e cheiros, a se deixar ir ao vento, na plenitude do voo, numa doce liberdade envolvida de Sol!...



Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)


                                    


                    Uma breve pausa, na minha volta, 
                    visitarei os espaços de vocês
                    para o voo da partilha que eu tanto aprecio!...
                    Beijo e Abraço de Paz!
       


sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Passarinho Poeta (Poemas de Manoel de Barros)










O Fazedor de Amanhecer


Sou leso em tratagens com máquina.

Tenho desapetite para inventar coisas prestáveis.

Em toda a minha vida só engenhei

3 máquinas

Como sejam:

Uma pequena manivela para pegar no sono.

Um fazedor de amanhecer

para usamentos de poetas

E um platinado de mandioca para o

fordeco do meu irmão.

Cheguei de ganhar um prêmio das indústrias

automobilísticas pelo Platinado de Mandioca.

Fui aclamado de idiota pela maioria

das autoridades na entrega do prêmio.

Pelo que fiquei um tanto soberbo.

E a glória entronizou-se para sempre

em minha existência.



Tratado Geral das Gradezas do Ínfimo



A poesia está guardada nas palavras _______ é tudo que eu sei.

Meu fado é o de não saber quase tudo.

Sobre o nada eu tenho profundidades.

Não tenho conexões com a realidade.

Poderoso para mim não é aquele que descobre ouro.

Para mim poderoso é aquele que descobre as

insignificâncias (do mundo e das coisas).

Por essa pequena sentença me elogiaram de imbecil.

Fiquei emocionado.

Sou fraco para elogios.



Os Deslimites da Palavra


Ando muito completo de vazios.

Meu órgão de morrer me predomina.

Estou sem eternidades.

Não posso mais saber quando amanheço ontem.

Está rengo de mim o amanhecer.

Ouço o tamanho oblíquo de uma folha.

Atrás do ocaso fervem os insetos.

Enfiei o que pude dentro de um grilo o meu destino.

Essas coisas me mudam para cisco.

A minha independência tem algemas 





A minha homenagem a este fazedor de amanhecer, o Poeta Passarinho

que deve estar colorindo as eternidades com a sua mágica poética.

Voa grande Poeta,

daqui acompanhamos o voo... 

Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem do Google

Poesia do Mestre Poeta Manoel de Barros.

(Reeditado - 2014).




                                  

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

A Inscrição do Silêncio




Resultado de imagem para imagem de pintura de alexandrina karadjova



   
 As palavras são folhas
Do meu caderno por dentro do corpo.
As anotações registradas na minha
          Alma
Tocam musica,
Plasmada do silêncio
       Que eu sou.




Suzete Brainer (Direitos autorais registrados)

Imagem: Obra de Alexandrina karadjova.